Alfenim...Porque a tradição ainda é o que era!


Ontem foi um dia especial, por isso não consegui passar por aqui. Ontem foi dia de casa cheia para festejar os aniversários de três das minhas pessoas especiais - filhote mais novo, mano caçula e afilhado! Foi dia de festa, apagar as velas, rir, relembrar. Fazemos sempre a festa cá por casa (e como eu gosto deste desassossego!). Mas se ontem foi o único dia que até hoje, desde o lançamento do blogue não partilhei algo convosco, hoje não conseguiria terminar o dia sem vos falar de uma outra iguaria da Ilha Terceira - o Alfenim.
Este é um doce que data de finais do sec. XV, início do sec. XVI, que chega à Terceira na altura do seu povoamento. O alfenim consiste numa pasta de açúcar branca opaca, a fazer jus ao termo árabe que lhe dá origem "al-fenid" que significa o que é branco.
Esta é uma pasta moldável e que dá origens a figuras maravilhosas como pássaros, corações, coroas, partes do corpo humano, flores, entre outras. Era um doce que se oferecia às pessoas de origem nobre e nos casamentos, mas como o passar dos séculos ficou ligado à tradição dos festejos das Festas do Espírito Santo, servindo como oferenda aos impérios e pagamento de promessas por obtenção de graças do Divino Espírito Santo.
A arte de o conseguir fazer está no acertar no ponto de açúcar, bem como no trabalhar a massa enquanto moldável. É uma iguaria saborosa, que representa a tradição desta ilha de forma singular e carregada de história.
O ano passado senti que era altura de me aventurar na sua aprendizagem. Enchi-me de coragem, fiz pesquisa, pois sem dúvida é um doce desafiante, e lá comecei a experimentar! E que gosto me deu no Domingo do Espírito Santo da minha rua levar um coração de alfenim para oferecer ao império.
E o treino continua este ano, pois esta é uma arte de várias viagens no domínio da moldagem.
Espero que gostem!


Ingredientes:
1kg açúcar
400ml água
1 c. sopa de vinagre

Leve o açúcar ao lume com a água e o vinagre. Deixe ferver até fazer ponto de pérola apertado. Torna-se mais fácil usar o teste seguinte: numa taça com água fria coloque, com a ajuda de uma colher, um pouco do açúcar que tem ao lume. Estará no ponto quando ao cair na água fria se formarem fios consistentes na altura em que entra em contato com a água (foto abaixo).
Deite a calda num recipiente de metal untado com manteiga e que se encontra dentro de outro recipiente com água fria. O açúcar começa a arrefecer dos lados, vá puxando com uma faca o açúcar para o centro. Vá repetindo este movimento até que a temperatura da calda de açúcar permita trabalhá-lo com as mãos.
Nessa altura, comece a puxar o açúcar, esticando e dobrando, dando-lhe a forma de uma meada. Repita este movimento até o açúcar ficar bem elástico, opaco e branco.
Divida a massa, com a ajuda de uma tesoura, e vá trabalhando o alfenim enquanto morno, dando-lhe as formas que quiser (pense nele como uma plasticina).
Para que os pedaços de alfenim que não está a trabalhar se mantenham moldáveis, conserve-os no forno quente (esta é a parte mais desafiante para mim, pois alguns pedaços quando vou trabalhá-los tende a estar mais solidificados do que queria).
E está pronto a comer e a oferecer. E que delícia é! 







Comentários

  1. Respostas
    1. Lucy parece mais difícil do que é! O desafio é acertar no ponto de açúcar, mas a dica que dou no blog é excelente. Fica mesmo lá. Depois o moldar, melhor ou mais ou menos, lá vamos :) Beijinhos <3

      Eliminar
  2. Que viagem de regresso à Terceira eu fiz neste momento. Aquando da minha chegada a Angra deparei-me, de imediato, com dezenas de figurinhas destas numa montra de uma pastelaria. Fiquei logo curiosa, entrei e perguntei. Uma das empregadas disse-me que estavam a fazer naquele momento e perguntou-me se queria ver...claro que aceitei. Adorei ver e conhecer um pouco mais da vossa tradição. Ver agora esta publicação, deixou-me com saudades do povo acolhedor da tua ilha. beijinhos
    P.S.- Estão perfeitos os teus alfenis.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada querida Cristina. É tão bom ler o que escreves sobre esta minha ilha e a forma como procuraste saber, provar o que é regional. Adoro! Que bom que pudeste regressar a este tempo com este post. Essa é uma das melhores sensações destas partilha, não é?
      Ainda preciso continuar a treinar a modelagem, mas pelo menos o começo já está! Beijinhos <3

      Eliminar
  3. Muitos parabéns a todos os que celebraram mais uma primavera e a ti, como mãe e madrinha. Receber quem mais amamos é sempre tão bom...

    Adoro receitas com história, receitas tradicionais... Não conhecia este doce. Mas parece-me a mim que exige muita experiência. beijinhos

    https://saboresdoninho.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Antes de mais...Que bom ver-te de volta! E espero que bem :)
      Obrigada. A família é o nosso maior bem!
      O desafio deste doce é o ponto de açúcar na minha opinião. Se acertamos, o resto vai-se fazendo. Experimenta! Beijinhos <3

      Eliminar
    2. Obrigada querida Sara! Fiquei curiosa para o fazer, gostei do aspecto final. beijinhos

      https://saboresdoninho.blogspot.pt/

      Eliminar
  4. Delicioso!!!
    Beijinhos.
    https://opecadomoraemcasa.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada! É um doce guloso mesmo :) Beijinhos

      Eliminar

Enviar um comentário

Obrigada por visitar o blogue e pelo seu contributo. Volte sempre!

As mais vistas